Flavio Ninho.jpg

FláVio Brito

"O Ninho de Escritores mudou muita coisa na minha vida. Mudei até de cidade e de estado (risos). Antes, eu via a minha escrita como uma forma de tentar comunicar coisas que eu não podia falar abertamente. Depois dos encontros, passei a ver a escrita como uma forma de levar experiências emocionais poderosas aos leitores e, em segundo plano, causar transformações – mesmo que as minhas personagens ainda continuem expressando minha vontade de chegar a termos com meu passado. Enfim, pode soar bizarro, mas encontrar tanta gente diferente me botou pra pensar no estilo de vida que eu levava. Foi uma pena não poder levar eles comigo quando me mudei. Não tem Ninho aqui na cidade onde eu moro agora. E faz falta."

Mel Ninho.jpg

Mel Pinheiro

"O Ninho de Escritores mudou toda a forma de como eu me relaciono com a escrita, principalmente com os meus projetos de histórias. Antes, eu pensava neles como algo que faria em algum futuro que não chegava. Com o Ninho aprendi que criar o hábito de escrever todos os dias podem gerar ideias fantásticas e que só fazendo que eu posso saber no que melhorar. Aprendi também que o planejamento é importante, e que o trabalho realmente só começa com a revisão e a reescrita. Mas principalmente, no Ninho de Escritores eu transformei o “Um dia escrevo sobre isso” em “Sobre o que vou escrever hoje?”. E isso realmente foi um divisor de águas na minha vida.”

Tuco Ninho.jpg

Tuco Santana

"Hoje, após todos os encontros, tenho segurança em escrever e mais clareza da ideia que quero passar para quem vai ler. Além disso, uso a técnica de escrita livre que aprendi no Ninho não só para escrever, mas para me preparar para conversas, negociações, entrevistas e reuniões.”